Discurso do Aluno Comandante do Batalhão (591/07) na Abertura Solene do Ano Lectivo 2014-2015

Vossa excelência General Chefe de Estado Maior do Exército, Ex. mos. Oficiais Generais, Ex. mo. Coronel Tirocinado, Director do Colégio Militar...

Apresentação do novo livro do Roberto Durão (15/1942)

No próximo dia 23 de Outubro (5ª feira), dia do Aniversário da Associação, em que fazemos a homenagem aos Antigos Alunos da "Velha Guarda", ser...
Conteúdo sindicado
21Out

Discurso do Aluno Comandante do Batalhão (591/07) na Abertura Solene do Ano Lectivo 2014-2015

Vossa excelência General Chefe de Estado Maior do Exército,
Ex. mos. Oficiais Generais,
Ex. mo. Coronel Tirocinado, Director do Colégio Militar,
Oficiais, Docentes, Sargentos, Praças e Funcionários Civis,
Ex. mos. Convidados,
Pais e Encarregados de Educação,
Camaradas Antigos Alunos,
Camaradas Alunos
Eis-me hoje aqui, como graduado, nas funções de Comandante de Batalhão, aqui nestes nossos ilustres Claustros, a discursar perante esta insigne audiência na Abertura Solene do Colégio Militar.
Este facto, que naturalmente me enche de orgulho, serve, acima de tudo, para sublinhar um especial agradecimento a todos aqueles que, de forma bastante empenhada, nos apoiaram, a mim e ao meu curso, para que hoje aqui pudéssemos estar, nesta última e, porventura, a mais importante etapa do nosso percurso colegial.
A todos esses, reconhecidamente deixamos um encarecido muito obrigado, pelo trabalho, mas também pela confiança que em nós depositaram.
Quando, há sete anos atrás, entrei nesta tão nobre casa, estava longe de me imaginar no desempenho desta função e num colégio tão diferente. Incontestavelmente, o colégio de hoje é muito diferente do de então.
Julgo que já ninguém tem dúvidas de que vivemos num período de profunda mudança, provavelmente a maior, por que o colégio passou, na sua já longa existência, e quiçá no seu futuro.
Contudo, se me fosse dada a oportunidade de escolher o momento para ser graduado, não tenho dúvidas de que escolheria o presente momento. É um grande privilégio estar na linha da frente numa altura que será decisiva para a continuidade desta nossa tão amada casa. Certamente que seremos todos nós, e repito, TODOS nós, que, com a nossa entrega de corpo e alma, decidiremos o futuro do Colégio Militar enquanto instituição fiel aos seus pilares base.
Cabe-nos a todos honrar os que passaram por estes egrégios claustros cheios de história e tradição. É também nossa especial missão imortalizar o sonho do homem visionário, que da lei da morte se libertou pela sua sabedoria e bravura, e que, com a sua obra, garantiu que muitos meninos, ao longo dos anos, se tornassem, para além de Homens, verdadeiros Meninos da Luz.
O Colégio Militar vive atualmente um período de grande mudança. Uma mudança que nos foi imposta, no conteúdo e também no calendário, e que não acautelou a particular sensibilidade que deve orientar as alterações numa instituição como esta.
No entanto, e como o colégio tão bem nos ensina, devemos assumir que também nós fomos a tinta que determinou esta mudança.
Fomos nós, como Alunos, que ao não nos mobilizarmos para que dedicássemos à nossa formação todo o nosso esforço e inteligência, deixámos que se propagasse um aproveitamento escolar inadmissível para uma casa como esta, e de que os rankings, pontualmente, nos foram dando sinal. Fomos também nós, como Professores, que permitimos que alguns, que se julgam de lugar garantido, não se empenhassem na docência como este colégio merece e deve exigir. Fomos igualmente nós, como Oficiais, que deixámos que o serviço no colégio fosse visto como um prejuízo na carreira, e não como algo de prestigiante e gratificante. Fomos ainda nós que, como funcionários desta casa, esquecemos o espírito e a dedicação características dos antigos fâmulos, passando a regular a nossa atividade por interesses essencialmente pessoais. Fomos nós, como Encarregados de Educação, que quisemos um colégio à medida do nosso educando, não aceitando as virtudes de um projecto educativo com provas dadas. Por fim, fomos também nós, como Antigos Alunos, que fora destas quatros paredes nem sempre afirmámos o que cá dentro se aprende, não ambicionando um contributo nas mais diversas áreas da intervenção humana, esquecendo, por vezes, que esta barretina se traz no coração, e não somente na lapela.
Fomos, pois, todos nós que, de uma forma ou de outra, entregámos o futuro do nosso Colégio à decisão de quem não o conhece.
A restruturação foi-nos, pois, imposta, mas agora TODOS devemos ser parte ativa e integrante da luta pela preservação institucional deste Colégio.
Aceitemos, pois, que hoje, como sempre o futuro não é garantido pelo passado, mas irá depender, em grande medida, das nossas ações do presente.
Como sabemos, todo o processo de mudança já leva um ano. Por isso, é meu justo dever congratular não aqueles que o aceitaram de uma forma passiva, mas em especial todos aqueles que, em prol do futuro do Colégio, e muitas vezes pondo de lado algumas das suas convicções, não desistiram desta nossa. Assumindo como desafios o que outros veriam como problemas.
Pais, Encarregados de Educação e demais familiares, alegra-me saber que confiam no Projeto Educativo do Colégio Militar e, desde já, vos felicito pela coragem da vossa escolha que, embora poucos tomem, ainda menos se arrependem de a ter tomado. O Colégio complementará a formação dos seus alunos; no entanto, é da vossa competência e responsabilidade a educação dos vossos educandos. Acompanhem o seu percurso, apoiem e ajudem os vossos filhos, ambicionem e exijam mais deles. Sendo o colégio uma segunda família, é importante uma relação de cooperação e empenhamento conjuntos, para que a educação dos vossos educandos não fique comprometida.
Professores, vós sois uma parte fundamental na continuidade deste Colégio, numa altura em que se questiona o aproveitamento escolar dos alunos: para além de exigência, pedimos-vos profundo envolvimento. Empenhem-se e exijam empenho; só assim a vossa função e o esforço serão inequivocamente retribuídos pelas gerações que aqui voltarão. Estamos certos que com o vosso espírito de missão e de sacrifício, conseguiremos inverter o ciclo menos positivo que, infelizmente, o colégio tem vindo experienciar relativamente aos nossos resultados escolares. Por isso, sublinho as palavras de William Arthur Ward, que tantos de nós reconhecem; “O professor medíocre descreve, o bom professor explica, o professor superior demonstra e o grande professor inspira.”
Militares, a história desta casa está pejada de inúmeras expressões das virtudes militares, nomeadamente a coragem, a lealdade, a honra, a camaradagem, o espírito de servir e o amor à Pátria. Peço-vos que, com a vossa conduta e empenho, luteis para que estes continuem a ser os valores de orientação da vivência colegial. Só assim conseguireis prestar um verdadeiro serviço militar à Nação.
Demais servidores desta nossa Casa, os vossos antecessores são parte incontornável da história do Colégio; por isso vos peço que não sucumbais perante a tarefa de contribuir para um Colégio melhor.
Novos alunos, futuros ratas, estais formados pela primeira vez em frente a todo o Batalhão Colegial, o qual em breve e solenemente ireis integrar. Por estes centenários claustros passaram gerações e gerações de alunos que enfrentaram as adversidades que vós ides ultrapassar. No início, muitas serão as lágrimas derramadas, mas estou certo de que no fim serão muitas mais, natural fruto do orgulho de finalizar um amado percurso que agora se inicia. Aqui aprenderão o significado das palavras Camaradagem, União, Esforço, Dedicação, Altruísmo e Abnegação, palavras essas que vos guiarão não só no vosso percurso colegial, mas serão parte da formação que vos norteará ao longo das vossas vidas. Nesta casa, a força de todos reside no empenho de cada um, e a alma de cada um alimenta o espirito de todos. Sereis “ Um Por Todos, Todos Por Um”.
Hoje ainda só Turistas, amanhã, verdadeiros Meninos da Luz prontos a honrar a Casa que vos fez crescer.
Uma palavra especial às alunas que vieram do Instituo de Odivelas. É com um enorme pesar que vemos desalentar uma instituição que sempre esteve ligada ao Colégio. Por tudo isto, e porque esta é, agora, a Casa de todos nós, peço-vos o vosso empenho na afirmação deste nosso Projeto Educativo.
Graduados, o nosso trabalho estará para sempre ligado ao futuro do Colégio. Pela positiva ou pela negativa, seremos sempre parte integrante da sua história. Enfrentaremos dificuldades que, provavelmente, nunca outros Graduados enfrentaram.
Anime-nos, no entanto, uma frase de outras forças especiais, “se fosse fácil estariam cá outros”. Tenho plena confiança de que estareis à altura das inúmeras barreiras que iremos ter de ultrapassar.
Sinto um verdadeiro privilégio por integrar esta equipa. Sois aqueles que comigo sorriram nos bons momentos, e nos tempos difíceis me ampararam e alentaram, para que junto triunfássemos.
Por último, uma palavra com particular emoção, a todo o Batalhão Colegial: sois vós a verdadeira essência desta casa, em todos nós reside a esperança de um futuro à altura dos nossos pergaminhos. É tempo de refletirmos sobre as nossas atitudes e querermos ser, mais do que nunca, verdadeiros Homens de valor. Ser aluno do colégio é primar pela excelência, independentemente do género ou do regime de frequência; compete-nos a todos dignificar a farda que envergamos. Só o nosso esforço conjunto ditará a justa perenidade desta casa.
Termino, citando um grande líder que mudou a história da humanidade. Nelson Mandela, em tempos, disse que “A grande glória não está em nunca cair, mas em levantarmo-nos cada vez que caímos”. O Colégio, nos seus mais de duzentos anos, deparou-se com guerras, crises, mudanças de regime, novas constituições; foi posto em causa, mudou, mas nunca tombou. Será, sem dúvida, pretensioso afirmar que algo ou alguém lhe porá fim.
Por isso, devemo-nos unir para divisarmos, pelo menos, mais dois séculos de Glória Colegial. Uma certeza tenho “ Se o espirito vive, a chama perdura”
Ao nosso tão amado Colégio, um forte Zacatraz,
Bem Hajam.

591/07-Francisco José de Jesus Santana Cordeiro de Araújo

Apresentação do novo livro do Roberto Durão (15/1942)

No próximo dia 23 de Outubro (5ª feira), dia do Aniversário da Associação, em que fazemos a homenagem aos Antigos Alunos da "Velha Guarda", será lançado no auditório do Colégio, pelas 15h, o novo livro do Roberto Durão (15/1942), pelo que estão convidados todos os Antigos Alunos a estarem presentes no lançamento de mais uma notável obra "Verde Mar" deste Menino da Luz.

17Out

O Colégio Militar por Luis campos e Cunha no Jornal Publico

Ex-alunos do Colégio Militar são sempre gente com outra postura perante o dever e a sociedade

A ideia de que a natureza tem horror ao vácuo fazia parte da física na Idade Média. Mas esta lei do horror tem corolários na vida actual: os políticos incompetentes têm horror a novas caras nos partidos; os escroques têm horror a uma justiça que funcione; e, do mesmo modo, os bons investidores têm horror a uma justiça que não funciona. E podíamos continuar, mas vem tudo isto a propósito das notícias recentes sobre Colégio Militar.

Devo declarar que não frequentei o Colégio, embora com pena minha, porque o meu Pai entendeu que eu poderia ser seduzido pela vida militar e para tal bastava ele. O meu irmão esteve no Colégio, por circunstâncias familiares extremas, não se deu bem, e saiu ao fim de dois anos, se bem me lembro. Não tenho, portanto, especiais ligações ao Colégio Militar (CM) mas tenho muitos amigos (e dos bons) que por lá passaram.

As recentes notícias dão uma ideia do Colégio como uma escola de sevícias e de maus tratos. Problemas de maus tratos em escolas sempre existiram e devem ser combatidos com determinação pelas autoridades da escola em causa, mas não faz da escola uma instituição a fechar. Lembro-me bem de, há uns anos na minha Faculdade, terem ocorrido praxes indignas das nossas caloiras e imediatamente o Director de então tomou medidas para que tal não voltasse a acontecer. E não aconteceu. O CM não é excepção, mas o que está em causa é uma tentativa de fazer desaparecer uma das instituições mais antigas de ensino na Europa com uma longa tradição de serviço ao País.

Recordo, com alguma tristeza, que uma das "regalias" de um militar morto em combate em África era os filhos terem educação gratuita no CM. Por esse facto e por as pensões de sobrevivência serem, à época, absolutamente miseráveis (recordo-me de casos concretos), havia sempre vários órfãos no Colégio. Fazia parte das obrigações dos graduados (ou seja, alunos finalistas do CM) terem não só uns ratas (alunos caloiros) como seus protegidos mas também cuidarem dos dramas de algum aluno cujo pai tivesse morrido. Quem conhece ex-alunos do Colégio sabe que têm uma organização e uma coesão ímpar em qualquer outra escola. Falam do Colégio com saudade e têm um respeito pela instituição como ninguém tem da sua escola. Nela se fizeram amizades que perduram para toda a vida e alguns dos meus melhores amigos são ex-alunos do CM e devo confessar que são sempre gente com outra postura perante o dever e a sociedade.

O Colégio Militar dá educação em sentido pleno do termo. Tem um ensino de excelente qualidade e dá quadros de valores que nenhuma outra escola garante.

Em 1975, numa acção de dinamização organizada para os alunos do Colégio por gente afecta ao PCP -Varela Gomes, Faria Paulino e outros- começaram a atacar a instituição e a apelidarem os alunos de príncipes privilegiados. Um aluno dos mais novos, ou seja com uns 11 anos, levanta-se e calmamente diz que é filho de um oficial que morreu em combate, que se não fosse o Colégio não poderia estudar e não percebia onde estava o príncipe. Os protesto generalizaram-se (teve lugar uma gigantesca boiada, usando a terminologia do CM) e a comissão de dinamização foi forçada a sair pela porta dos fâmulos -porta de serviço- e não pela porta principal. Foi o enxovalho total, apesar de os oficiais tentarem, em vão, acalmar os alunos. É gente de fibra.

Aliás sempre foi assim. Faz parte da sua história mais antiga que quando teve lugar o atentado a Sidónio Pais gerou-se, naturalmente, o pânico entre a população e as unidades militares ajudaram à turbamulta. A única unidade que manteve a calma, ajudou a população e evitou mais mortos foi exactamente uma unidade do Colégio. Portanto, a tradição vem de longe.

O ensino tem uma qualidade excepcional e que não é possível sem um internato, onde os laboratórios de línguas e as salas de estudo estão ao lado do picadeiro e da sala de esgrima. Qualquer pai, cá fora, que tente dar a mesma formação passaria o tempo a servir de motorista do filho. É, aliás, uma tradição muito antiga dos melhores colégios ingleses.

Como professor na universidade, sempre que tenho conhecimento de que um aluno meu veio do CM, posso testemunhar o aprumo, o à vontade, a auto-confiança e o profissionalismo com que está numa aula. Tudo isto, em flagrante contraste com os colegas, especialmente os mais betinhos.

Além disso, como os alunos são tratados por igual, têm um número (que vem antes do nome), andam vestidos com farda e os filhos de pais ricos não se distinguem dos filhos de pais pobres. Também por isso, o convívio democrático hierarquizado é a regra. Ainda bem.

O contraste é gritante com o que se passa nas nossas escolas. E a anarquia, quase geral em que vive o ensino secundário, tem horror ao Colégio Militar, obviamente. Aliás, a verdade é mais funda: a anarquia quase geral da nossa sociedade tem horror à instituição militar. Uma instituição organizada, como a militar, que cultiva os valores da honra, da camaradagem, da disciplina e do dever para com a pátria, não pode ser bem vista pela sociedade actual. A nossa vida colectiva -a civil- privilegia o oportunismo, habituou-se aos casos de corrupção (com ou sem fundamento), tem uma imprensa virada para o escândalo e uma televisão com novelas que são difusoras da falta valores e da ausência dos bons costumes.

O Colégio Militar poderá acabar mas as razões estão na nossa sociedade e não dentro dos muros do Colégio. O horror à decência é dos indecentes. Professor universitário

Sessão Evocativa do Vasco Massapina - 209/1957

A Ordem dos Arquitectos e a Família de Vasco Massapina convidam para uma Sessão Evocativa a realizar na sua Sede - Travessa do Carvalho, nº 23 em Lisboa, no dia 17 de Outubro às 18 horas

O convite está na página de internet da AAACM
www.aaacm.pt

14Out

A AAACM comemora o seu 111º aniversário no próximo dia 23 de Outubro 2014

A AAACM comemora o seu 111º aniversário no próximo dia 23 de Outubro 2014 (Quinta-Feira) e, como habitualmente, iremos prestar homenagem aos elementos da “Velha-Guarda”, constituída pelos Antigos Alunos que entraram para o Colégio Militar até ao ano de 1954 (inclusive).
Para que, mais uma vez, esta comemoração seja um êxito é fundamental a tua presença.
O programa proposto o seguinte:
10h00 – Concentração dos Antigos Alunos na entrada do Colégio Militar;
10h30 – Apresentação de cumprimentos ao Exmo. Cor. Tir. Director do Colégio Militar e Assinatura do Livro de Honra na Biblioteca;
11h00 – Deposição de ramo de flores, em homenagem ao Colégio Militar;
11h10 – Deposição de ramo de flores, em homenagem ao Fundador do Colégio Militar;
11h30 – Acender da Chama Colegial com a presença da Escolta Colegial a pé;
12h00 – Missa a realizar na Capela do Colégio Militar;
12h45 – Fotografia de grupo na escadaria da Enfermaria e encontro com os actuais Alunos sucessores;
12h50 - Desfile do Batalhão Colegial;
13h00 – Descerramento das fotografias dos Antigos Alunos que foram Presidentes da República (oferta da Associação dos Antigos Alunos do Colégio Militar);
13h05 – Almoço de homenagem à Velha-Guarda com os Orgãos Diretivos da AAACM, no refeitório do Colégio;
15h00 – Lançamento do livro do Roberto Durão – “Verde Mar” no Auditório do Colégio

Para que possamos indicar ao Colégio o número de presenças ao almoço, agradeço a tua inscrição na Secretaria da Associação até ao dia 18 de Outubro, pessoalmente, pelo telefone 217122306/8 ou pelo mail geral@aaacm.pt
O almoço tem um preço de 10 €, a ser pago ao Colégio no próprio dia.